A greve que mudou o jornalismo no Pará e na Amazônia

MOVIMENTO HISTÓRICO – Os jornalistas durante a greve de 2013, em Belém (PA). A redação vazia durante a greve no Diário do Pará. Presidente do Sindicato dos Jornalistas do Pará, Roberta Vilanova. Os protestos dos jornalistas nas ruas de Belém (Fotos: Sindjor-PA)
Reportagem: Kátia Brasil

O setembro de 2013 marcou a história do jornalismo no Pará. Um grupo de profissionais fez a maior greve de que se tem notícia contra os baixos salários e a jornada de trabalho excessiva. Aquele movimento conseguiu paralisar as redações do jornal Diário do Pará e Diário Online, empresas pertencentes ao grupo Rede Brasil Amazônia (RBA) de Comunicação, de propriedade do senador Jader Barbalho (PMDB-PA). O grupo também é dono da RBA TV (afiliada da Bandeirantes) e da TV Record local.
Barbalho é um dos políticos mais influentes do Norte do país, mas também alvo de investigações em vários escândalos de desvios de recursos públicos como o da Sudam. Recentemente foi citado nas investigações da Operação Lava Jato, que apura o esquema de pagamentos de propina a políticos com recursos da Petrobras.
A greve dos jornalistas da RBA durou de 20 a 28 de setembro de 2013. Eles ganharam o Acordo Coletivo de Trabalho na Justiça, que assegurou um aumento do piso salarial de R$ 1 mil para R$ 1.300,00. Na Convenção Coletiva, em 2014, o piso dos jornalistas do Diário do Pará passou para R$ 1.500,00.
A presidente do Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sindjor-PA), Roberta Vilanova, diz que esses profissionais não tiveram medo de lutar por melhores salários e condições de trabalho, mas, segundo ela, houve retaliações por parte da RBA de Jader Barbalho: 16 jornalistas foram demitidos, a partir de novembro 2014. As demissões aconteceram 45 dias após terminar o prazo do acordo de estabilidade, que não permitia cortes para profissionais que participaram da greve.
“O trabalhador tem direito de fazer greve e a empresa também tem o direito de demitir quem ela quiser e quando quiser. Entretanto, no caso do Diário do Pará, ficou claro para o sindicato que todas as demissões ocorreram como retaliação pela participação na greve de 2013 porque há indícios”, afirma a sindicalista, destacando: “Ninguém é demitido na porta da empresa na hora em que chega para trabalhar como ocorreu no Diário do Pará. Por isso, há algumas ações tramitando na Justiça do Trabalho pedindo reintegração dos demitidos e indenização por danos morais”, completa Roberta Vilanova. (Leia Mais Em Cidade)

Helder Barbalho é barrado na RBA: 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s