Amapá tem o terceiro maior índice de desemprego do país, revela pesquisa

DRAMA SOCIAL - Número de desocupados no Amapá chega a 14,9%. Incluindo o que o IBGE chama de subutilização da força de trabalho
DRAMA SOCIAL – Número de desocupados no Amapá chega a 14,9%. Incluindo o que o IBGE chama de subutilização da força de trabalho

A taxa de desemprego subiu em todas as regiões brasileiras, no terceiro trimestre, em relação a igual período de 2015, segundo o IBGE. A maior foi apurada no Nordeste, onde o índice passou de 10,8% para 14,1%. No Sudeste, a taxa foi de 9% para 12,3% e no Norte, de 8,8% para 11,4%. A menor é a da região Sul (7,9%, ante 6% no ano passado), enquanto no Centro-Oeste subiu de 7,5% para 10%. Os dados, que fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, foram divulgados pelo instituto na manhã de hoje (22). A taxa média é de 11,8%, o que corresponde a 12,022 milhões de desempregados no país.
Os estados com maior taxa de desemprego são Bahia (15,9%), Pernambuco (15,3%) e Amapá (14,9%). E os menores, Santa Catarina (6,4%), Mato Grosso do Sul (7,7%) e Rio Grande do Sul (8,2%). Com taxa de 12,8%, São Paulo concentra 3,111 milhões de desempregados, um quarto do total nacional. Em um ano, o crescimento foi de 38,4%, um acréscimo de 864 mil pessoas. Essa alta é superior à media do país (33,9%).
O rendimento médio fica acima da média brasileira (R$ 2.015) nas regiões Sudeste (R$ 2.325), Centro-Oeste (R$ 2.288) e Sul (R$ 2.207) e abaixo no Norte (R$ 1.539) e no Nordeste (R$ 1.348). Em comparação ao terceiro trimestre do ano passado, o Centro-Oeste tem estabilidade e as demais registram queda, com destaque, segundo o instituto, para o Nordeste, onde a retração foi de 3,9%.
A chamada taxa de subutilização da força de trabalho foi de 21,2%, o que corresponde a 22,9 milhões de pessoas, ante 18% há um ano. Esse indicador inclui a taxa de desemprego, a de desocupação por insuficiência de horas e a força de trabalho potencial. Varia de 13,2% (região Sul) a 31,4% (Nordeste).
Já a taxa combinada de subocupação por insuficiência de horas trabalhadas e desocupação passou de 14,4%, em 2015, para 16,5%. Isso inclui 12 milhões de desempregados e 4,8 milhões de subocupados – pessoas que têm jornada de menos de 40 horas semanais, mas gostariam de trabalhar em um período maior. Essa taxa vai de 10,7% (Sul) a 22,9% (Nordeste).
E a taxa combinada de desemprego mais força de trabalho potencial atingiu 16,8% (6,1 milhões de pessoas), ante 12,8% há um ano. Esse grupo corresponde a pessoas que gostariam de trabalhar, mas não procuraram emprego ou procuraram, mas não estavam disponíveis para trabalhar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s