Saúde em perigo

Agrotóxicos utilizados em larga escala no Amapá

alimentos contaminados
Produtor denuncia uso excessivo de agrotóxicos no AP

Os hortifrutigranjeiros produzidos no Amapá estão “envenenando” a população devido ao excesso de agrotóxicos aplicado nas hortaliças. A denúncia foi feito pelo produtor Francisco Marcondes Marques, na última semana de outubro. De acordo com Marcondes Marques, o alimento contaminado é normalmente comercializado em supermercados, mercadinhos e feiras sem que o consumidor ou o governo tenham se atentado para a grave ameaça.
O agricultor revela preocupação quando observa donas ou donos de casa levando nas sacolas cebolinha, cheiro-verde, couve, berinjela, feijão-verde, maxixe, pepino, quiabo, pimentão, jambu, tomate, rúcula, salsa, cariru, mastruz e outros produtos com suspeita de que tenham sido tratados com agrotóxicos.
Pesquisas do Sistema Nacional de Informação Tóxico Farmacológicas da Fiocruz (Sinitox) alertam: os agrotóxicos ocupam o quarto lugar no ranking de intoxicações do País, atrás de medicamentos, acidentes com animais peçonhentos e produtos de limpeza (saneantes). Em 2007, foram registradas 6.260 casos provocados por agrotóxicos. Estudos em laboratório mostram o risco de algumas substâncias provocarem problemas hepáticos, doenças de pele, mais risco de câncer, problemas hormonais, neurológicos e reprodutivos.
Uma análise feita pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, batizada de Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para), acompanha os níveis de resíduos de agrotóxicos nos alimentos consumidos pela população. Além do abuso de defensivos, a pesquisa revela o emprego de produtos proibidos para algumas culturas.
No Amapá, segundo Marcondes Marques, não existe nenhum acompanhamento oficial sobre os níveis de agrotóxicos usados nas diversas culturas. Para o produtor, o correto seria a população consumir hortifrutigranjeiros produzidos organicamente, ou seja, verduras e hortaliças cultivadas com adubo orgânico.
A utilização de agrotóxicos está comprometendo a saúde de homens, mulheres e crianças amapaenses. Os trabalhadores que manuseiam os venenos trabalham sem nenhuma proteção, como botas, macacões, máscaras, capacetes, luvas e outros equipamentos. Não existe orientação e falta conhecimento do que fazer com resíduos e embalagens. Os governos estadual e federal nunca fizeram valer a lei de agrotóxicos que, entre outros aspectos, proíbe a comercialização de produtos que sejam cancerígenos, mutagênicos e teratogênicos.

Agrotóxicos utilizados em larga escala no Amapá

 

Os hortifrutigranjeiros produzidos no Amapá estão “envenenando” a população devido ao excesso de agrotóxicos aplicado nas hortaliças. A denúncia foi feito pelo produtor Francisco Marcondes Marques no jornal A Gazeta, edição de quinta-feira, 28, na coluna “Roda Viva”, do radialista Carlos Lobato. De acordo com Marcondes Marques, o alimento contaminado é normalmente comercializado em supermercados, mercadinhos e feiras sem que o consumidor ou o governo tenham se atentado para a grave ameaça.

O agricultor revela preocupação quando observa donas ou donos de casa levando nas sacolas cebolinha, cheiro-verde, couve, berinjela, feijão-verde, maxixe, pepino, quiabo, pimentão, jambu, tomate, rúcula, salsa, cariru, mastruz e outros produtos com suspeita de que tenham sido tratados com agrotóxicos.

Pesquisas do Sistema Nacional de Informação Tóxico Farmacológicas da Fiocruz (Sinitox) alertam: os agrotóxicos ocupam o quarto lugar no ranking de intoxicações do País, atrás de medicamentos, acidentes com animais peçonhentos e produtos de limpeza (saneantes). Em 2007, foram registradas 6.260 casos provocados por agrotóxicos. Estudos em laboratório mostram o risco de algumas substâncias provocarem problemas hepáticos, doenças de pele, mais risco de câncer, problemas hormonais, neurológicos e reprodutivos.

Uma análise feita pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, batizada de Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para), acompanha os níveis de resíduos de agrotóxicos nos alimentos consumidos pela população. Além do abuso de defensivos, a pesquisa revela o emprego de produtos proibidos para algumas culturas.

No Amapá, segundo Marcondes Marques, não existe nenhum acompanhamento oficial sobre os níveis de agrotóxicos usados nas diversas culturas. Para o produtor, o correto seria a população consumir hortifrutigranjeiros produzidos organicamente, ou seja, verduras e hortaliças cultivadas com adubo orgânico.

A utilização de agrotóxicos está comprometendo a saúde de homens, mulheres e crianças amapaenses. Os trabalhadores que manuseiam os venenos trabalham sem nenhuma proteção, como botas, macacões, máscaras, capacetes, luvas e outros equipamentos. Não existe orientação e falta conhecimento do que fazer com resíduos e embalagens. Os governos estadual e federal nunca fizeram valer a lei de agrotóxicos que, entre outros aspectos, proíbe a comercialização de produtos que sejam cancerígenos, mutagênicos e teratogênicos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s