Fracasso de público

Complexo Beira-Rio ainda não emplacou 

O Complexo Turístico Beira-Rio, reinaugurado no dia 23 de dezembro, não caiu no gosto popular. Aliás, de popular o logradouro não tem nada. A começar pelo menu, inacessível para bolsos mais esquálidos. Por isso, não está atraindo o consumidor de pequeno e médio poder aquisitivo. O insucesso do empreendimento, cuja reforma começou na administração João Henrique Pimentel, e se arrastou por quase dois anos, vem sendo comentado, a princípio em conversas de pé-de-ouvido, agora às escâncaras. E pelo contemplar do presente, pode-se prever para breve a transformação dos atuais queixumes dos comerciantes locais em brados desesperados de SOS.

Em conversa com alguns desses empreendedores, pôde-se perceber a insatisfação com a proposta apresentada pela PMM. Primeiro, limitando a venda de bebidas alcoólicas somente a um tipo de marca e modelo, e elevando o preço a um patamar inatingível para profissionais “menos aquinhoados”, seria possível fazer a seleção da frequência. Somente pessoas de “bom nível econômico” estariam em condições de frequentar o local. Segundo, com essa espécie de “apartheid” sócio-econômico o Complexo Beira-Rio não voltaria a se transformar numa “corrutela” (pequeno arraial formado por garimpeiros na entrada das terras virgens), em bom português, numa zona de meretrício.

Nas últimas semanas, no entanto, os investimentos feitos pelos donos de bares e restaurantes parecem longe de dar o retorno pretendido. Exceto nas festividades de fim de ano, culminando com o réveillon 2009, hoje o movimento entrou em processo decrescente assustador. Com a cerveja pequena vendida a R$ 4,00 e com a porção de tira-gosto mais cara do que um jantar num dos restaurante situados às proximidades do Copacabana Palace, na avenida Atlântica, em Copacabana (RJ), nem empresários como os engenheiros Roberto Souza e João Lamarão demonstraram algum interesse pelo “novo” Complexo Beira-Rio. Apesar dos flutuantes níveis de humor do professor Roberli, Roberto Souza ainda prefere, mesmo, a companhia dos amigos e os preços populares do “Suvaco de Cobra”.

Outro grave problema em evidência no Complexo Beira-Rio, e recentemente exposto em reportagem de jornal, refere-se aos maus-tratos sofridos pelo patrimônio recém-entregue à população. Banheiros e adereços decorativos estão sendo impiedosamente vandalizados. Portas foram danificadas, pias e bacias sanitárias não estão funcionando. Torneiras são arrancadas aos safanões. E o mais grave: o piso já começa a apresentar rachaduras. Observadores com conhecimento na área de engenharia civil comentam que o material utilizado na conclusão da obra não tem muita durabilidade. Logo, logo, afirmam, precisará ser substituído.

Anúncios

2 comentários em “Fracasso de público

  1. Em verdade, o “complexo beira rio” de quase nada mudou do que era antes da “construção” do no complexo. Se os menos desatentos observarem, ocorreu apenas uma pequena reforma nos bares, ampliando-se a cobertura dos mesmos; de resto em nada mudou, a estrutura é a mesma de dois anos atrás. Em relação ao vandalismo, é necessário colocar os guardas municipais para cumprir o principal competência dos mesmos e, que a carta magna do país determina, do de guardar o bem público; e não querer ser o BOPE. Ajudar a segurança pública é valido, mas sem deixar a sua tarefa principal à segundo plano.

    1. Vc tem razão, Joeci…
      As mudanças no “novo complexo Beira-Rio” foram ínfimas. Com a cobertura, ficou parecendo um “mercadão”. Quando à destruição de pisos e louças dos banheiros é uma questão que poderia ser tratada em âmbito municipal, sem dúvida. A presença de guardas municipais inibiria a ação dos vândalos.

      Suas considerações são significativas.
      Volte sempre ao Amapá Em Dia.

      Abraços do
      Emanoel Reis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s